DIA DAS MÃES - MEU PASSADO GASTRONÔMICO

12/05/2012 15:12


 


Estou atravessando uma fase de resgate na vida: estou procurando os parentes que não vejo há muito tempo, os amigos de mais de quarenta anos, através do fb tenho "conversado" com várias pessoas novas e procurado as antigas. A idade vai chegando, ou já chegou, e como diria o Mário de Andrade: " Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro."
Aproveitando o Dia das Mães, outro dia estava refletindo e procurando uma razão para gostar tanto de gastronomia e de cozinhar. Contrariamente à história dos grandes cozinheiros, não tenho um DNA dentro da minha família que me propicie chegar a uma conclusão. A D. Lêda , minha mãe, não era uma boa cozinheira; a D. Heloísa, minha avó, tampouco! Bons momentos gastronômicos vivemos quando a Marinita - colaboradora de forno e fogão - trabalhava na minha casa! Bons tempos que não sei quantos anos foram ...
Voltando aos anos 50, me lembro da minha tia Esperança, irmã da minha avó, esta sim uma excelente cozinheira. Até hoje me lembro do seu vatapá, cuja receita eu tenho e nunca me atrevi a fazê-la com medo de não ficar igual! Mas me lembro muito bem do gosto dos seus acepipes que à época se resumiam dentre outros a uma excelente carne assada com um molho ferrugem que nunca comi igual, uns raviolis de espinafre, um sanduíche americano que já mencionei no blog, umas brevidades que não tinham sabor igual! Isso é o que a minha memória resgata.
Depois conheci as maravilhas da Margarida e Maria, colaboradoras da D.Laïla, e aí me lembro do suflê de bacalhau com molho de camarões, o rocambole de peito de frango recheado de presunto e um molho de tomates com cerejas, do ragu de carne ladeados com torradas transparentes, das empadinhas, dos croquetes de camarão super bem feitos e saborosos, etc ... continuo com a Tia Mariazinha que fazia umas empadinhas de queijo e pratos de suspirar! E aí - deixei por último de propósito - a D. Lucita, minha sogra, que agora deve estar cozinhando em "algum lugar", e que era a rainha da cozinha,  reinando durante muito tempo na minha vida. Bolo de chocolate, pavê de amêndoas, pão de ló com creme de chantilly e morangos, o bolo de tabuleiro com calda de laranja, papos de anjo, marron glacê feito com batata doce, e muitas outras coisas fantásticas - até o queijo quente era bom!
Atualmente quem chega mais perto do fogão é a minha filha Fernanda que carrega no seu DNA um pouco das gerações passadas. Se houver dedicação - pois a cozinha exige isso - de repente ela se transforma no referencial da família ... dou a maior força!
E a Odênia, que me ajuda em Pirenópolis com a sua paciência, e prepara pratos maravilhosos, em especial o seu feijão, as mães do Recife (Thereza, Clau e Tita) que "pilotam" as panelas com extrema maestria.
Então queria prestar uma homenagem às MINHAS SAUDOSAS MÃES GASTRONÔMICAS que ainda me fazem lembrar delas num dia tão especial como esse e que é extensivo a todas as outras MÃES (também em maiúsculas).
Hoje é o dia de dizer o quanto elas foram e são importantes para mim!
Parabéns, aproveitem o seu dia, e que continuem alegrando os seus filhos com dedicação e, principalmente, comidas gostosas ...